Barbieheimer é uma bomba de ideias

Barbie e Oppenheimer, filmes lançados em 2023 tem o maior hype da época e carrega profundidades que só um óculos protetor ultravioleta pode proteger.

BARBERHEIMER - BANNER (400 × 200 px) (1)

No último dia 20 de julho caiu a bomba atômica do catártico, transportado pelo avião da mídia do mundo todo e por todos que querem dizer que “Essa bomba é boa. Vai por mim”. Quando se falta revelação do todo, somos enganados, e seguimos o fluxo dessas ideias.

Barbieheimer e ideias

O belo da Barbie, como sempre foi, não tem aparência de caos. A menina ganha uma boneca bebê. Algumas amavam. Até que chega a boneca belíssima que pega o seu carro, compra o que quer, fecha a porta na cara de todos da sua bela mansão rosa, e os outros que se lasquem. A vida independente da Barbie, e de qualquer outro modelo dela, sempre foi o seu cartaz. Mas havia em cada menininha, um certo desejo por seu lar da paz, onde um pai Ken, sendo na verdade, um homem que cuida e protege, ao invés dos homens sem revelação de sua própria identidade.

Era assim que se brincava de Barbie anos atrás. As amigas vinham em casa, cada uma com sua Barbie, pois era as visitas da mini casa, assim como é legal receber os amigos. O papai, a mamãe, recebiam visitas sociais. Muito bom. Mas, de repente, é um crime ser papai, mamãe e filhinhos.

No momento em que esses papéis familiares são distorcidos, a base da sociedade desaba. Isso aconteceu com o Império Romano – a sua derrota foi a desestruturação da família, a promiscuidade, a queda dos valores morais, o hedonismo pois, “comamos e bebamos pois amanhã morreremos”.

Bomba do assunto

Quanto à bomba… (que bomba?) de Oppenheimer, foi alguns minutos que de fato se via essa construção de megatons. Foi a parte mais barulhenta do filme. Antes, a luz; depois, o barulho – assim como se ensinava nas aulas de Física do Ensino Médio. Mas o resto perambulou outro barulho: o das ideias. O protagonista, que se envolveu com a velha esquerda antes da guerra, ou durante, foi perseguido injustamente por suas ideias na Guerra Fria. Mas, agora, numa nova política, estamos numa Guerra Gelada, caótica, onde as mentes são levadas a acreditar que ideias de lá são mais legais dos que a de cá; que o princípio daqueles velhos são apoio para as novas bonecas do nosso tempo. É a mais pura cortina de fumaça. E fumaça rosa radioativa.

Elon Musk acusa o filme das bonecas

Elon Musk acusou o filme da Barbie da mais pura propaganda de esquerda, conforme a reportagem do Hollywood Reporter. Segundo o jornalista, a direita está atacando o filme enquanto Barbie está sendo sucesso de bilheteria arrecadando milhões. Oras, se o dinheiro dita as regras, percebe-se o deus disso tudo. Onde a grana vira senhor, seus verdadeiros súditos aparecem. Tem-se por impressão que Elon Musk já não está mais nem aí para a grana – talvez tenha descoberto que esse altar não vale a pena.

 

Os óculos anti-radiação

Chega-se à conclusão de uma grande Matrix onde as placas operantes da máquina são a de vídeo e não a placa mãe. É muito importante, nesses dias, ter os óculos dessa anti-radiação. Lembre-se: a radiação queima no primeiro olhar.

REDATORA

Vandressa Holanda Gefali

Redação

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Instagram
WhatsApp